Revista Giz

02 Fev 2017 - Abr 2017

#2 | Nenhuma Nudez Será Castigada

Terra estrangeira parte 3: Seleção de escritórios gringos que fazem bonito em solo nacional

GIZ destaca os trabalhos de alguns estúdios internacionais que mapearam o Brasil com suas arquiteturas

  • 19 abril 2017

Daniel Libeskind

giz-2-vitra-daniel-libeskind-8
Do mesmo autor do novo World Trade Center, o Edifício Vitra pode se confundir com um prédio comercial por essa relação quase automática de escritórios empresariais com construções espelhadas. Mas o que Daniel Libeskind projetou para sua primeira incursão na América do Sul, com a colaboração de Pablo Slemenson Arquitetura, na verdade, trata-se de uma torre residencial de apartamentos de luxo na região do Itaim-Bibi, em São Paulo. Para esta obra, o polonês, também responsável pelo Museu Judaico de Berlim, pensou em um design escultural e multifacetado, com a composição das varandas de vidro e os jardins verdes articulando um jogo entre forma, transparência e opacidade. São 14 apartamentos, um por andar, e uma planta diferente para cada. libeskind.com

Jean Nouvel e Philippe Starck

giz-2-rosewood-hotel-resorts-complexo-matarazzo-1

O arquiteto Jean Nouvel foi convidado pelo também francês Alexandre Allard para fazer o projeto da torre mista do empreendimento de luxo Rosewood Hotel & Resorts, que em 2018 ocupará o antigo Complexo Matarazzo na região da Avenida Paulista, em São Paulo. Inspirado na Mata Atlântica, o edifício, com uma fachada em brises de madeira e permeado em todos os andares por vegetação, será composto por apartamentos que poderão ficar à disposição do hotel na ausência do proprietário. O igualmente conterrâneo Philippe Starck assinou os interiores da torre, que seguiram a premissa maior do projeto de “feito por brasileiros” e se valeram de peças, materiais e mão de obra nacionais em sua composição. Para a execução de todo o projeto, o Grupo Allard, responsável pelo espaço, firmou parceria com o franco-brasileiro Triptyque. jeannouvel.com e starck.com

Herzog & de Meuron

herzog-de-meuron-complexo-cultural-da-luz

Ainda que a obra tenha sido embargada pela Justiça, não poderíamos deixar de incluir o Complexo Cultural da Luz, do escritório Herzog & de Meuron. O edifício teria três teatros, salas de aula, loja, café, e abrigaria a sede da Escola de Música do Estado de São Paulo e da São Paulo Companhia de Dança. Seria construído a partir de uma série de lâminas horizontais entrelaçadas, que se encontrariam em pisos intermediários. A disposição foi pensada para favorecer a entrada de ar e de luz no prédio. O complexo se integraria à praça Júlio Prestes, no terreno em frente. Uma das lâminas se estenderia sobre ela, criando uma grande rampa como entrada principal do edifício. A ideia era que a praça fosse reformada, ganhando áreas verdes, e, na conclusão de todas as obras, a Luz ganhasse um grande “corredor verde”, abrangendo o Museu de Arte Sacra, o Parque da Luz, o Complexo, até chegar à Praça Princesa Isabel. Em 2015, a Justiça declarou nulo o contrato entre a Prefeitura de São Paulo e o Herzog & de Meuron, após o questionamento de um grupo de arquitetos, que entrou com o processo em 2009. O problema foi o escritório suíço ter sido contratado sem passar por nenhuma licitação. herzogdemeuron.com

herzog-de-meuron-arena-do-morro-5

O primeiro projeto do escritório suíço Herzog & de Meuron no Brasil está em Natal, Rio Grande do Norte. O ginásio poliesportivo Arena do Morro faz parte de um plano de urbanismo maior, batizado de Uma visão para Mãe Luiza, que visa à revitalização da favela homônima. A Fundação Ameropa, atuante na comunidade, fez a ponte entre ela e os arquitetos europeus, que se dispuseram a realizar o projeto sem honorários. O desenho da Arena do Morro foi feito em cima da estrutura de um antigo ginásio que existia no lugar – uma quadra de cimento envolvida por pilares e treliças, sem cobertura nem paredes. A geometria da estrutura foi estendida ao longo de toda área construída, criando uma imensa cobertura, definida pelos limites do terreno. A cor branca que uniformiza a cobertura cria um contraste com a malha urbana colorida da Mãe Luiza. Ocupando um grande terreno vazio às margens do bairro, o prédio tem estrutura simples e aberta, respondendo aos materiais e métodos de construção locais. O ginásio foi inaugurado em 2014. herzogdemeuron.com