Uma descoberta de antes de Cristo, vidro volta mais atual do que nunca em peças de design

Marcas e profissionais têm novamente dado atenção ao material, que cada vez mais assume forma de móveis e objetos decorativos

  • 11 outubro 2017

Desde quando foi descoberto pelos fenícios, milhares de anos antes de Cristo, o vidro vem aparecendo na arquitetura não apenas como material construtivo, como na composição interna dos ambientes. E isso para além das funções mais básicas e insubstituíveis em uma casa, como janelas, espelhos e box de banheiro — volta agora uma onda que traz, em sua crista, mesas, objetos e obras de arte em desenhos contemporâneos traçados sobre a matéria-prima oriunda de um óxido metálico.

Há quem aposte no material como forma de destacar o entorno e os demais objetos; ou quem se encante pelo jogo de contrastes proporcionados pela transparência, a mesma responsável por integrar ambientes pela interação entre exterior-interior. Leveza estética também é um ponto. Em alguns casos, o material pode ser eleito, também, pelo conforto térmico.

Além dos profissionais que já tinham sua produção especificamente trabalhada com o material, novas marcas vêm surgindo neste nicho vítreo para incorporar os nomes da velha guarda e propor novos desafios aos interessados.

Glass11_Estante-Prospettica_-Giorgio-Bonaguro-alta

 

Em 2016, a Glass11, por exemplo, brotou em solo nacional com o objetivo de trazer ao País o ainda pouco explorado conceito de mobiliário em vidro. Como um modo de enriquecer ainda mais a iniciativa, convidou nomes de peso do design para assinar móveis para sua primeira coleção, como Camilla D’Anunziata, autora da Estante Heaven — parte da coleção Realidade 4D, que, segundo a designer, “busca significado no invisível e no imaterial” — e Zanini de Zanine, cabeça por trás da Poltrona Hum, nascida do conceito da simplicidade e da geometria aplicada em formas. Para comemorar o segundo ano de vida com a mesma energia a mil, a marca apresentou recentemente sua “Nova Coleção”, que reúne criações de grandes expoentes do design atual. As metas das novas peças foram manter a delicadeza dos traços e a pureza do material no desenho de móveis, que deveriam instigar o olhar pela beleza peculiar do vidro sob a assinatura dos artistas. Os modelos, porém, precisariam ser funcionais e de fácil integração ao cotidiano – por isto, confortáveis, duráveis e seguros. Aceitaram o desafio desta segunda leva Estúdio Rain, FETICHE, decarvalho atelier, Gustavo Bittencourt, Rodrigo Ohtake, Giorgio Bonaguro e Rodrigo Ambrosio.

giz-terpins-APARADOR-PLANA

No estúdio localizado em um edifício dos anos 1950 em São Paulo, os interessados e admiradores podem conferir e adquirir as peças Jacqueline Terpins prontas ou ainda em produção. A artista, formada em Comunicação Visual pela Escola de Belas Artes da UFRJ, se vale de uma estética minimalista, orgânica e de formas geométricas básicas para criar peças atemporais. Os modelos finalizados por Jacqueline parecem servir como um traço de memória de alta temperatura, uma representação de calor.

giz-4-vip-carol-gay-vaso-mangue

Carol Gay também integra o time dos que se debruçam sobre o trabalho com o vidro para criar peças esculturais. A designer de produto e arquiteta paulistana assina vasos de formatos não apenas orgânicos, como realmente inspirados em elementos da natureza. O novo vaso Mangue, inspirado nas raízes das vegetações típicas de regiões alagadiças, é um deles.

giz-jader-almeida-2

Além da relação com mobiliário desenvolvida desde os 16 anos, o catarinense Jader Almeida também é designer de produto. Em seu portfólio, estão vasos e luminárias de desenho minimalista feitos com cúpulas especiais de vidro soprado, que se misturam a outros materiais contemporâneos como aço carbono e latão. A linha Mush faz parte das criações do profissional.

giz-4-vip-vaso-cadre-wair-de-paula-jr.-ovoo--diginal-design-carrossel

Wair de Paula Jr., curador de arte e prata-da-casa de GIZ, lançou recentemente a coleção Cadre de vasos, vistos no showroom da carioca recém-aportada em São Paulo Ovoo Design. “Garimpo em brechós e aplico estrutura de latão”, explica.

giz-ari-lyra

Para seu próprio apartamento em São Paulo, o decorador Ari Lyra desenhou um cabinet-bar de vidro de quê setentista que, em formato cúbico e totalmente transparente, deixa à mostra as taças e garrafas armazenadas.

Confira outras das peças feitas do material: