Sig Bergamin Arquiteto

Formação: Arquitetura e Urbanismo

Onde nasceu: Mirassol, SP

Onde atua: Nos quatro cantos do mundo

Principais projetos: Casas e apartamentos urbanos, de praia e de campo do high society – desde artistas a banqueiros, passando pela nobreza “sangue-azul” internacional.

Bio

“Sig Bergamin é o único arquiteto que não copia Sig Bergamin”, costuma brincar Nizan Guanaes, um dos papas da propaganda e do marketing dessas bandas. Não é para menos. O nome chic, rápido e cool do masterpiece é praticamente uma senha de bom gosto. De Mirassol, cidade no interior paulista, para o mundo, o eterno menino de olhos verdes e expressivos, graduado em Arquitetura e Urbanismo, é uma das referências mais imediatas quando se tratam de projetos de interiores absolutamente customizados e cheios de estilo, com uma mistura destemida de épocas, estilos, estampas e padrões que são só dele (e de ninguém mais). Figura das mais queridas – e copiadas – do décor, Sig circula com desenvoltura seja em Bali, Paris ou Trancoso, onde busca referências e garimpa acessórios para os layouts cheios de bossa – e de cor – que saem de suas pranchetas atemporais e cosmopolitas. Essa falta de limites geográficos tem tudo a ver com os métodos que adotou para a própria vida – compartilhada com o arquiteto e estilista Murilo Lomas e com os cães África, Ásia, América e China.
“A prioridade de um designer, de um arquiteto ou de qualquer outro alguém que lide com a criatividade como principal matéria-prima, deveria ser viajar. Livros são importantes (e vocês sabem o quanto eu sou obcecado por eles), revistas, jornais, filmes, documentários, pesquisas na internet, apuração com os amigos, também. Mas não devemos confiar apenas na informação processada, que é entregue de bandeja para nós. É fundamental correr atrás das referências, interpretá-las e absorvê-las à sua maneira, tirar suas próprias conclusões e, como eu sempre digo, ser original. Uma semana in loco desvendando qualquer lugar deste mundão afora, às vezes, pode valer mais do que três meses de pesquisa no escritório revirando papéis ou com a cara grudada na tela do computador ”, ensina.
Com QG também em Nova York, é dono de um portfólio recheado de residenciais e corporativos nos continentes que batizam seus mascotes. A trajetória decolou após ele assinar os interiores da boate Gallery, o case de sucesso de Ricardo Amaral, muito frequentada pelo high paulitano e também por celebridades internacionais nos fervidos anos 1980. Desde então, vem traçando desde mansões de banqueiros a restaurantes da moda; de galerias de arte a lojas de design, entre tantas obras que o colocaram entre os 100 melhores profissionais do mundo. Em 1997, lançou o livro SIG, coletânea de seus melhores projetos até então, em parceria com o fotógrafo Tuca Reinés. Já em 2003, foi a vez dos books Adoro! e Adoro o Brasil, com dicas sobre décor. Para coroar a trinca, em 2014, colocou nas livrarias o manual prático Sig Style, editado pela Toriba e com textos do diretor da GIZ, Allex Colontonio.

Instagram